19 outubro 2006


O Menino dos Olhos de Lago

Para Gelson Roberto Klein

Filho da Moça dos Olhos de Rio com o Rapaz da Voz de Trovão, nasceu e cresceu na cidade das águas minerais, talvez por isso grande parte da família fora abençoada com olhos cristalinos, ou pelo menos durante muito tempo acreditou-se que fora o consumo de tal água que os dotava da tal característica.

Era uma família humilde, que só Deus sabe como se virou tão bem, tendo em vista que no fim das contas a prole era composta de treze rebentos, entre meninos e meninas, tudo por que o rapaz da voz de trovão queria formar um time de futebol com a gurizada! No fim das contas não conseguiu, mas conseguiu. Antes mesmo de pensar em completar o time teve uma menina; quando estava perto de ter meninos suficientes, o mais velho já tinha saído de casa, sendo seguido logo pelos outros e mesmo assim vieram outras meninas para atrapalhar a vontade do pai. Não que as tenha amado menos por isso, amou igual a todos, amou do jeito que ama um pai que se chama Rapaz da Voz de Trovão!! E provavelmente esse rodízio da permanência de filhos dentro do lar tenha sido a razão pela qual a família, apesar de humilde, jamais tenha passado grandes necessidades, ou melhor, necessidades extremas! Mas o sonho do time viria a se realizar com filhos e sobrinhos, depois filhos e netos e assim em diante.

E assim o Menino dos Olhos de Lago foi crescendo, quem o conheceu mais tarde acha difícil acreditar que tenha sido levado, mas o foi, na medida normal de todo menino, nem demais, nem de menos. Até por que seus olhos estavam lá, cristalinos, para atestar a candura de sua alma!!!!

Mas apesar da bondade de sua alma, num desses revezes da vida, acabou sendo vítima de uma injustiça do destino. Ao passar por trás de um cavalo, este, sabe-se lá por que, assustou-se e deu um coice no menino, custando-lhe quase todos os dentes. E como a família era muito humilde e não tinha condições de pagar-lhe o tratamento necessário, assim teve de viver pelos próximos anos.

Até o dia em que fora visitar uma amiguinha de escola e a mãe da menina ficara encantada com a beleza do menino, beleza não só da alma, mas física. E disse que um menino tão lindo não poderia ficar sem os dentes, deu-lhe de presente toda a restituição da arcada dentária, sem pedir nada em troca, a não ser um sorriso, dos lábios e dos olhos.

Os anos foram passando, ele mudou de cidade, arranjou empregos, foi fazendo a vida, até o dia em que foi parar numa outra cidadezinha onde conheceu a Menina da Alma de Festa, apaixonou-se imediatamente, não se sabe se por sua beleza, por ela ser inteligente, mas provavelmente tenha sido por sua alegria de viver, parece que era isso que mais o chamava atenção em uma mulher, a alegria de viver.

Com o passar do tempo, eles namoraram, noivaram, casaram e tiveram três lindos filhos: o Severo Jovial, o Cabeça de Nuvens e Taurina da Alma de Leão e Coração de Açúcar.

Mas por venturas do destino acabaram por se separar. A Menina da Alma de Festa mudou de cidade, e ele foi seguindo com sua vida.

Foi quando conheceu Mistéria, a mulher de mil faces, que variavam de acordo com época, humor e circunstancias...Mas não é assim com todos nós?

O fato é que acabaram por se casar, por que ela também possuía uma grande alegria de viver, mesmo que por um tempo, ou pelo menos em certas circunstâncias, ela mesma pareça ter esquecido isso! E ela fora muito importante para ele, uma segunda mãe para seus filhos, lhe deu grande apoio quando ele precisava, enfrentou muita coisa por ele, enfim fora importante para eles. Mas mais uma vez quis o destino que por ventura não fosse ela a destinada para ser para sempre. O Menino dos Olhos de Lago, mais uma vez enfrentava um momento difícil e importante, mas o fez mais uma vez com gentileza e dignidade, como lhe era tão natural.

Antes mesmo de que pudesse superar essa dificuldade, Deus quis levar para seu lado o Rapaz da Voz de Trovão, isso por que alguns anos antes já levara uma irmã sua, a Moça dos Pulsos de Ferro e Alma Doce. E era muito difícil compreender a razão de todos aqueles acontecimentos.

E se perguntava: “Por quê os bons sempre sofrem?” E não se referia a si, mas a sua mãe que também fora vítima desses recentes acontecimentos entre outros...E sabe-se lá quais outras desventuras não sofrera ao longo da vida.

Talvez a razão para isso seja a eterna briga entre Deus e o Diabo. Deus faz com que os seus sofram, por que é através do sofrimento que se adquire sabedoria. Já o Diabo evita que os seus sofram e até lhes proporciona prazeres, pois sendo quem é e sabendo que as pessoas são ensinadas a evitá-lo, tem de utilizar-se desses recursos para mantê-los ao seu lado. A sabedoria é a forma que Deus tem de garantir que o Bem sempre vença. Portanto, o sofrimento garante que o Bem prevaleça. Por mais contraditório que possa parecer.

Não que isso amenizasse os natais que passara sozinho, por estar longe da família e sem dinheiro para visitá-los e tantas outras situações.

E mais uma vez ele teve de ser forte e superar essas agruras.

Mas logo, logo, ele reencontrou uma antiga amiga, a Moça da Risada Frouxa - preciso dizer que ela tem uma enorme alegria de viver??? E começaram a namorar.

Depois disso? Bem, depois disso cada um foi levando sua vida. Como essa história termina? Ainda não sei, um dia quem sabe, volto aqui para contar! Felizes para sempre é difícil de dizer, há quem inclusive ache que a felicidade não existe e entendo que às vezes a vida pareça tão dura que nos faça crer assim, mas acho que tudo é uma questão de perspectiva. Mas mais uma vez, não é assim com tudo na vida?

Gustavo Porto Klein


3 comentários:

Cristiana disse...

Que lindo!!! Precisa montar isso, adaptar pro teatro e encenar pras crianças!

Anna D' Castro disse...

Lindoooo, Gustavo! Adorei.
Parabéns meu querido, fiquei encantada, vc escreve muitíssimo bem
Meu beijo
Anna

Lajedo disse...

lindo! rapaz, belo conto eu diria um conto líquido

bjos