05 setembro 2008


Janelas Vazias

Ele sentia um vazio, uma sensação profunda de ser corroído por um vácuo. Lembrava de tudo o que passara e a sensação aumentava. Não sabia ao certo porque se sentia assim, talvez fosse só um vazio passageiro sem causa aparente, talvez fosse medo, talvez fosse saudade. Fosse o que fosse. O que era ele não sabia. Ficava olhando as luzes da cidade pela janela e pensava que seu vazio refletia o vazio da cidade. Comparava. Olhava aquele mar negro de pontos luminosos e acreditava consciente do egoísmo, que o que sentia era pior do que o que os demais desse mar sentiam. E construía pensamentos que defendiam essa crença obscura, acreditando que seu vazio refletia o vazio da cidade em conjunto, mas não individualmente. Tentava imaginar o que as pessoas faziam naquela hora, numa cidade como aquela. Lembrou de todas as casas noturnas, bares e similares, pensou também nas possíveis festas em casas, apartamentos e etc. Percebeu que o que levava a maioria dessas pessoas a esses locais era a solidão, por mais que aparentassem se divertir, e alguns realmente se divertiam, mas a maioria quer fugir da solidão.
Foi só então que percebeu...

4 comentários:

Anônimo disse...

adorei gus!!!!.. a foto super combinou com o texto.... parabéns...!
Rodrigo Negrini

Anônimo disse...

Gustavo,

Olha!Há uma minha identificação com o seu texto. Algumas vezes, bate um sentimento indecifrável e indescritivel e fico pensando exatamente dessa maneira. A diferença está no olhar do personagem de seu texto para o mar, enquanto o meu é para o céu com lua e estrelas.
Adorei.
Beijos
Rosa Berg

]Lírica[ disse...

oseublogémaravilhoso........ ADOREI MUITO BOM GOSTO!!!!! beijos

splendid disse...

It seems different countries, different cultures, we really can decide things in the same understanding of the difference!
nike shoes